Mãe!

Mãe!


Faz um ano que tu não estás mais comigo...
Mas onde tu estiveres, ouça-me...
Hoje eu quero te pedir perdão minha mãe...
por não ter sentado pertinho de ti e
aceitado teus carinhos.
Perdão... pela minha constante impaciência em
ouvir tuas histórias, simples, mas que eram as tuas histórias.
E eu mãe, sempre dono da verdade, cheio de mim, não as ouvia.
Perdão mãe, por não ter te abraçado mais, te beijado mais,
por não ter te mostrado em vida o tanto que eu te amava.
Perdão mãe, pela minha ausência em várias ocasiões em
que te deixei sozinha, solitária.

Perdão, pelos teus conselhos que não segui e hoje vejo
e sei, o quanto eram e me seriam valiosos.
Perdão pela minha constante falta de educação ao recusar
uma blusa de frio, um refresco, um café feito na hora,
que afinal tu fazias com todo carinho do teu coração.
Perdão mãe, por eu não ter te compreendido, pela minha falta
de grandeza, pela minha pequenez em dezenas e dezenas
de momentos, que não adianta relatar aqui, mas que hoje
percebo que eu estava errado e te magoei. E como te magoei.
Perdão mãe, mas perdão mesmo, pelas vezes que te respondi mal,
pelas vezes que elevei minha voz para ti. Que maldade eu fiz.
Ah minha mãe!!! Se arrependimento matasse!
Se eu pudesse ter-te aqui comigo, para te falar o tanto tanto
que tu me fazes falta.
Sabe mãe, a cada dia que passa, mais eu sinto que preciso de ti.
Hoje, que tenho filhos, sei que para gente eles sempre são crianças,
não importando a idade que tenham.
Mas eu minha mãe! Ah! Como eu gostaria de com a idade que tenho,
ser como criança para estar novamente contigo.
Mas tu não estás aqui mãe!
Nesta nossa conversa de hoje só ouço minha voz.
Não ouço a tua!
E eu queria tanto! Precisava tanto ouvi-la!
Queria tanto segurar tua mão, passar a mão em teus cabelos,
te abraçar, te beijar.

Mas eu não te tenho mais aqui. Deus te levou.
Estou com saudade mãe! Muita saudade!
E esta saudade me tira um pedaço, me mata.
Perdão mãe, porque ainda não aprendi a viver sem ti
e acho que nunca vou aprender!
Desse homem menino, que só cresceu, mas queria muito,
muito mesmo, "estar na barra da tua saia!"
Saudade!!! Que dolorida e pontiaguda saudade minha mãe!!!
Beijão minha mãe, onde tu estiveres...

Àqueles que têm mãe, aprendam a VER, que ela está aí junto de vocês.
Não menosprezem nunca sua presença.
Verão um dia, o tamanho da dor que é sua falta.

Em Homenagem a minha Mãe e a todos as Mães.

Para Ruth Fernandes Airosa.

Comentários

eu disse…
parabéns pelo post ,gostei muito .Tenho certeza que ela perdoo mãe sempre perdoa, a paz