Uma história que ultrapassa gerações

A Figura que coloco, como foto em meu perfil é a de Fernão Capelo Gaivota, este livro é um dos melhores que li, alguns ainda não conhecem a história de Fernão , então faço um resumo abaixo que serve como auto ajuda.

A história de Fernão Capelo Gaivota


O autor conta toda a vida de Fernão Capelo, uma gaivota ávida por liberdade e pelo conhecimento. Desde sua juventude, Fernão Capelo mostra-se diferente das outras gaivotas, por nutrir intensa paixão pelo vôo. Fernão Capelo desafia as regras da sua comunidade quando mostra suas descobertas acerca do vôo. Por pensar de modo anticonvencional, Fernão é expulso da sua comunidade. Solitária, a gaivota aprimora suas técnicas de vôo até sua velhice, quando é misteriosamente elevada a outro mundo. Neste novo mundo, Fernão se revigora, conhece gaivotas que pensam em liberdade e vôo como ele e, com o auxílio de mestres, atinge a excelência na arte de voar com o vôo do pensamento.Fernão passa a ensinar o que sabe a outras gaivotas, até decidir-se pelo retorno a sua comunidade natal. Acompanhado por seus discípulos, o mestre retorna à comunidade que o baniu e exibe diversos estilos de vôo com perfeição. Os líderes da comunidade decidem ignorar o degredado e impor isto às demais gaivotas. Entretanto, a perfeição e a liberdade trazida por Fernão Capelo, lentamente vai cativando gaivotas da comunidade, que querem, sobretudo, aprender. Por fim, Fernão Capelo parte com intento de disseminar o conhecimento libertador que adquiriu, deixando discípulos em sua comunidade natal. Esta obra de Richard Bach destina-se a qualquer pessoa que esteja aberta ao aprendizado, alertando-nos a abrir os olhos para a liberdade que só o conhecimento pode trazer. 

Comentário A história de Fernão Capelo Gaivota possui várias faces, mas ao mesmo tempo carrega uma crítica à sociedade castradora, independente das décadas que atravessou. Esta crítica apresentada por Richard Bach dirige-se a vários aspectos sociais: na resistência ao novo, na imposição inquestionável de certas leis, nas limitações estabelecidas para o aprendizado, no conformismo, entre outros.Assim como na comunidade de Fernão Capelo, vivemos em uma sociedade que resiste profundamente às grandes mudanças culturais. Esta resistência tem origem no medo do que é novo. Nossa sociedade mascara seu medo estigmatizando, segregando e excluindo quem é diferente. Mas se prestarmos um pouco de atenção, poderemos ver que o medo parte dos que detém o poder. Estes passam a impor regras, a tolher liberdades, a ousar limitar o pensamento e o aprendizado.Em meio aos limites impostos pelos poderosos, a grande massa (de gaivotas ou de pessoas) se conforma, pois não tem acesso ao conhecimento. Quando dentre à massa, surge alguém que ousa avançar no aprendizado e descobre algo novo e bom, também é excluído pela sociedade. Os diferentes são colocados à margem da sociedade por serem justamente o que são: diferentes. Por terem se atrevido a contestar e a ir além do que os poderosos impuseram.Esta é a sociedade em que vivemos. Que não difere em quase nada da comunidade de Fernão Capelo Gaivota. É uma sociedade que ergue paredes ao nosso redor, que muitas vezes nos faz acreditar em verdades unilaterais. Vivemos a coletividade que julga e segrega, que julga mal e cala, que julga e finge que não está julgando. O mundo de hoje, que parece tão amplo e acessível para alguns poucos, simplesmente não existe para a grande maioria. Raras são as ocasiões que nos oferecem mais do que um ponto de vista, pouquíssimas vezes conseguimos ir além do raso conhecimento. E depois disso, falam que somos livres... A liberdade, só pode vir quando acompanhada do conhecimento. Mas como a liberdade pode vir, se o conhecimento não é ofertado a todos?Não diria que a liberdade vem apenas da perfeição do conhecimento, mas da profusão dele. Entretanto, assim como Fernão Capelo Gaivota, acredito que somos idéias perfeitas e ilimitadas de liberdade, porque o perfeito vem da busca infinita pelo melhor.

Comentários

Mr.Jones disse…
opa amigo
Continuando o pensamento do Fernão Capela "...porque o perfeito vem da busca infinita pelo melhor."
Eu concluo que, " O nascimento é a perfeição completa. Infinita porque não para."
abçs
Como você mesmo escreveu, o conhecimento é libertador. O texto citado foi de excelente ajuda em determinada época da minha vida. Bom lembrar disso!
Silvana Marmo disse…
Olá Marcos
Assim como na comunidade de Fernão Capelo, vivemos em uma sociedade que resiste profundamente às grandes mudanças culturais. Esta resistência tem origem no medo do que é novo. Nossa sociedade mascara seu medo estigmatizando, segregando e excluindo quem é diferente. Mas se prestarmos um pouco de atenção, poderemos ver que o medo parte dos que detém o poder. Estes passam a impor regras, a tolher liberdades, a ousar limitar o pensamento e o aprendizado. Em meio aos limites impostos pelos poderosos, a grande massa (de gaivotas ou de pessoas) se conforma, pois não tem acesso ao conhecimento. Quando dentre à massa, surge alguém que ousa avançar no aprendizado e descobre algo novo e bom, também é excluído pela sociedade. Raras são as ocasiões que nos oferecem mais do que um ponto de vista, pouquíssimas vezes conseguimos ir além do raso conhecimento. E depois disso, falam que somos livres... A liberdade, só pode vir quando acompanhada do conhecimento. Mas como a liberdade pode vir, se o conhecimento não é ofertado a todos?Não diria que a liberdade vem apenas da perfeição do conhecimento, mas da profusão dele. Entretanto, assim como Fernão Capelo Gaivota, acredito que somos idéias perfeitas e ilimitadas de liberdade, porque o perfeito vem da busca infinita pelo melhor.
Meu carinho
Arte e Café disse…
Querido Marcos.
Perfeita reflexão amigo.
Este livro é realmente maravilhoso.
A liberdade para o pensamento e o conhecimento é a maior dádiva que temos para a felicidade!
Meu afetuoso abraço
Alba