A Receita do Amor

- Oi amor! Tudo bem?
Tudo... foi bom te encontrar, eu queria comentar uma coisa com você.
O que? Fale.
- Eu estava ouvindo o rádio e tocava aquela música do Cazuza.
- Qual?
- Aquela em que ele diz que "o nosso amor a gente inventa".
Claro que é apenas uma forma poética que ele arranjou para falar de amor.
Eu acho que o Cazuza é um grande poeta.
- Como é, ele não morreu?
- Morreu, mas está vivo.
Na minha opinião, poeta nunca morre, permanece vivo em sua obra, em sua arte!
- Nunca pensei nisso, mas amor se inventa?
- Se o poeta o disse, não sou eu, um simples escritor de coração, quem irá contrariá-lo.
- Se assim for possível, tenho uma proposta a fazer.
Que tal inventarmos um amor?
Que tal inventarmos o nosso amor?
- Gostei da idéia, fala mais.
- Será um amor diferente. Não um amor comum, como estes que andam por aí.
Para inventarmos um amor diferente precisaremos ter uma receita.
- Receita?
- É, uma receita muita bem pensada, muita bem elaborada. Afinal será a receita do nosso amor.
- Inventor usa receita?
- Não importa, nós usaremos.
- Que ingredientes iremos colocar?
- Precisamos pensar, mas de uma coisa eu sei, existem ingredientes que não devemos colocar, senão o nosso amor pode desandar.
- Amor desanda como bolo?
- Temos muito no que pensar. Não podemos errar. Um amor assim, elaborado, inventado, com receita e tudo, tem que dar certo.
- Já pensou na vergonha?
Imagine então a manchete dos jornais!
"Amor inventado dá errado!"
"Amor tinha ingredientes pirateados"
- Pior então serão os comentários os maledicentes, estes nem quero pensar... "Era amor do Paraguai!"
- Temos que tomar muito cuidado!
Que tal começarmos tirando o que não queremos para o nosso amor?
Amor que é amor, não pode ter discórdia, não pode ter atritos.
- Espere, se no nosso amor não houver discórdia, como vamos ter reconciliação?
Melhor deixar uma pitadinha de discórdia e alguns pedacinhos de atrito.
Tá bom assim?
- Concordo, mas no nosso amor não pode haver distância.
- Hum! Pode sim, amor sem distância não tem saudade. Amor sem saudade, não tem vontade de querer mais. Amor sem distância e sem saudade, não tem "festinha" de retorno.
- O que me diz de colocar um pouquinho de distância ocasional?
- Concordo, porém nada de ciúmes.
- Ih!!! Amor sem ciúmes é muito chato! Todo amor tem que ter um pouquinho de ciúmes.
Não daquele tipo que é doentio, agressivo, mas um ciuminho pequenininho até que é gostoso. Aquele tipo de ciuminho de fazer biquinho, de ficar emburrado.
Ciuminho quando é do tipo gostoso faz tão bem ao ego!
- Tá bom, tá bom, deixa um ciuminho, mas deixa bem pequenininho, nada de exageros!
- Esta receita está ficando difícil!
- Como será que o Cazuza faria?
- Ele disse que inventaria o amor "pra se distrair" , mas o nosso não, o nosso é a sério.
- Acho melhor mudarmos a receita... melhor colocarmos os ingredientes que farão parte do nosso amor. Com são todos ingredientes abstratos, se o nosso amor começar a desandar poderemos tirar um ou outro ingrediente.
Vamos lá?
- Ok! Vamos aos ingredientes:
Companheirismo, amor sem companheirismo não pode dar certo.
- Amizade... é, amizade tem que ter, afinal amigo é uma espécie de namorado sem relacionamento mais íntimo.
- Carinho, este é necessário. Talvez um dos ingredientes mais importantes. Amor sem carinho é como café fraco, não tem graça.
- Coragem...
- Importantíssimo! Sem coragem não se pode enfrentar a vida. Não se pode encarar as dificuldades.
- Afeto,
- Afeto não é a mesma coisa que carinho?
- Não, carinho é uma coisa mais física, tem a ver com pele na pele e afeto é apego, dedicação, ternura. Entendeu?
Entendi... o que mais vamos colocar no nosso amor?
- Cumplicidade, amor sem cumplicidade perde o sentido. Cumplicidade é uma coisa tão exata quanto matemática.
Pode tirar esse olharzinho torto daí. É matemática sim quer ver?
- Claro que quero, onde já se viu... matemática?
- Cumplicidade é saber diminuir para somar, é concordar em dividir para multiplicar. Cumplicidade é o resultado de um somatório onde o valor final garante que os dois pensam e agem como um só.
- É verdade, você tem razão. Por falar em verdade, o amor não convive com mentiras.
- Taí uma coisa que não deve entrar na receita... a mentira.
- Imaginação seria um bom ingrediente?
- Claro que sim, amor sem imaginação se torna monótono e acaba, vira convivência.
- Então tem que ter fantasia?
- Obviamente! Fantasia e imaginação estão ali ó, uma ao lado da outra.
- O que mais vamos colocar na receita do nosso amor?
- Tesão, dá pra imaginar amor sem tesão?
- Puxa vida! Nem pensar, mas não é um tesão vulgar, é desejo, é vontade de estar juntos, é querer satisfazer um ao outro.
- Também é respeitar o momento certo, é saber o dia e a hora, é descobrir o que o outro gosta.
- Tesão tem tanta coisa!
- Tem sim, mas vai depender da imaginação e da fantasia. Do carinho e do afeto.
O momento do tesão é a hora da verdade. É a hora exata da cumplicidade. É ali que os dois somam e o resultado é um só, amor que se multiplica infinitamente.
- O que foi? Que cara é esta?
- Vem cá, deita aqui do meu lado...
Grande poeta o Cazuza... "O nosso amor a gente inveeeentaaaa!"

Comentários