Mensagem para você

De certa maneira, todos somos compulsivos. O que quero dizer é que nos entregamos a ações recorrentes a fim de administrar sentimentos e ações que no fim acabam nos administrando.
Podemos ser compulsivos de diversas maneiras; com gastos, comida, bebida, jogos, planejamento, limpeza, exercícios físicos, preocupações, uso do computador ou simplesmente ¨fazendo tudo demais¨. Muitas pessoas são compulsivas sem saber. Só quando o computador entra em pane, o cartão de crédito é cancelado ou médico diz que temos que fazer uma dieta é que fica claro o quanto uma atividade em particular controla nossas vidas.

No fim das contas, a compulsão principal de todos nós é lutar. Vivemos uma história criada por nossa cabeça, que sempre se esforça para que tomemos as rédeas da vida, lembrando que mudamos nós mesmos e nossas vidas. E muitas vezes esquecemos o poder incrível de simplesmente prestar atenção ao que vivemos em determinado momento. Esquecemos como é ser. Também esquecemos de confiar em nós mesmos e na vida e viver com alegria. Então nos voltamos às compulsões para nos entorpecer de todas as dificuldades , atitude que só nos leva a ter de lutar contra essas mesmas compulsões .

É possível superar as dificuldades e se reconectar com a alegria e o prazer de se sentir realmente vivo. Isso não quer dizer que as compulsões deixarão de dominar nossas vidas, mas sim que voltaremos a ser capazes de experimentar a profunda paz trazida pela satisfação e pela percepção de que estamos bem a vida é uma dádiva e no seu devido tempo tudo se resolverá.

Comentários

Silvana Marmo disse…
Olá Marcos,
As compulsões são hábitos aprendidos e seguidos por alguma gratificação emocional, normalmente um alívio de ansiedade e/ou angústia. São hábitos mal adaptativos que já foram executados inúmeras vezes e acontecem quase automaticamente.
E quantos destes não temos ao longo de nossa vida...
Meu carinho
Jackie Freitas disse…
Marcos, meu anjo amigo;
Bem, para mim o assunto é longo..rsrs
Todos sabem que fui compulsiva em jogos. Mas, graças a Deus, me curei! Aliás, graças a Deus e ao meu amado marido (que me mostrou com muito carinho e amor esse longo caminho de volta) é que pude recuperar a minha auto-estima, compreendi que o amor É SIM transformador.
Hoje, o que procuro fazer é viver a minha vida com muita paixão. Não consigo recuperar o tempo que perdi atrás de máquinas, mas consigo agradecer a Deus pela família abençoada e maravilhosa que tenho, a qual sacrifiquei muitas vezes por causa de meu egoísmo. O aprendizado? É que o mundo não é apenas nosso! Ele é de todos! A vida precisa ter trocas de energias e sentimentos...meus filhos e meu marido merecem o meu melhor hoje, por isso me dedico em tudo o que posso. Não como obrigação, mas como um agradecimento, afinal, eles me salvaram do meu pior lado...esse lado obscuro que todos nós temos. Eu fui salva do meu, mas ainda fico alerta, pois nunca sabemos quando ele ira atacar... Mas, amigo...eu tenho amor ao meu lado...esse é o maior escudo!
Grande beijo,
Jackie
Mari Costa disse…
Oii Marcos

Parabens pelo post, e a compulsão por qualquer tipo de coisa é prejudicial, pois tudo que tenha excesso, nao faz bem, temos que saber controlar nossas compulsões e ter equilibrio, pois as vezes a compulsao por algo, é sinal que alguma coisa está errado.
Bjs no coração
Edson Palma disse…
Imagino que para muitos de nós seja uma tarefa realmente complicada: "Controlar nossas emoções", mais presumo que a vida se torna as vezes interessante quando estamos envolvidos em nossas emoções primitivas, senão que graça teria se tudo fosse perfeito, né?

Até mais