O Dinamismo do Cosmos


O universo é constituído de uma energia dinâmica, uma energia que pode nos sustentar. Contudo, fomos desligados da fonte maior dessa energia, nos isolamos dela, e por isso nos sentimos fracos, inseguros e carentes. Diante desse déficit, nós sempre procuramos intensificar nossa energia pessoal da única maneira que conhecemos: buscando rouba-la psicologicamente de outros; uma competição inconsciente que é a base de todo conflito humano no mundo.
De vez em quando, outra pessoa quer voluntariamente que a gente defina a situação dela para ela, nos dando sua energia diretamente, nos fazendo sentir fortalecidos, mas em geral isso não dura. A maioria das pessoas não é bastante forte para continuar dando energia. Por isso é que a maior parte dos relacionamentos acaba virando disputa pelo poder. Os seres humanos ligam as energias e depois lutam para decidir quem vai controlá-las.
Assim que nós compreendemos essa luta, começamos imediatamente a transcender esse conflito e nos livramos da disputa por simples energia humana, percebendo que podemos receber nossa energia de outra fonte: da Consciência Cósmica.
Ao nos ligarmos a uma fonte humana para obter nossa energia masculina ou feminina, bloqueamos o fornecimento espiritual. Depois de fecharmos o círculo por nós mesmos, estabilizando nosso canal com o Universo, podemos nos ligar amorosamente a outra pessoa num relacionamento mais elevado.
Para um número cada vez maior de seres humanos a fonte Cósmica está se tornando comprovadamente real , porque esses indivíduos experimentam clarões e vislumbres desse estado mental no decorrer de suas vidas, sendo essa experiência a chave para o fim do conflito humano.
Quando temos a oportunidade de ver brevemente a magnitude da energia que poderíamos obter, mas, que não conseguimos mante-la por muito tempo, isso porque, quando tentamos nos relacionar com alguém que atua com a consciência normal, ou tentamos viver num mundo em que ainda existe conflito, somos rechaçados desse estado avançado e recaímos no nível de nossos antigos egos. Para reconquistar o que vislumbramos, e iniciar uma marcha de volta àquela consciência suprema, precisamos aprender a nos inundar conscientemente de energia para concretizar o novo nível em base permanente.
Para isso temos que enfrentar nossa maneira particular de dominar os outros, pois sempre que recaímos em antigos hábito, nos desligamos da fonte.
Esses hábitos são sempre inconscientes a principio, e a chave para abandona-los é trazê-los inteiramente à consciência, e fazemos isso observando nosso estilo particular de dominar os outros para conseguir que a energia passe para nós, e ficamos empacados aí. Esse estilo é uma coisa que repetimos várias e várias vezes. Assim, interrompemos a nossa evolução quando repetimos esse drama único para manipular em busca de energia.
Todos manipulam em busca de energia, ou de maneira agressiva, direta, forçando as pessoas a prestar atenção neles, ou de maneira passiva, jogando com simpatia ou curiosidade das pessoas para chamar atenção.
Por exemplo, se alguém nos ameaça, seja verbal ou fisicamente, então somos obrigado, por medo de que alguma coisa ruim nos aconteça, a prestar atenção nele, e portanto a transmitir energia para ele. Esse tipo de pessoa é um intimidador.
Se por outro lado, alguém nos conta todas as coisas horríveis que já aconteceram com ele, insinuando que talvez sejamos os responsáveis, e que se nos recusarmos a ajuda-lo essas coisas horríveis vão continuar, essa pessoa está buscando controlar no nível mais passivo, esse tipo de drama pode ser chamado de coitadinho de mim.
Um tipo menos passivo que o coitadinho de mim seria o distante, ele cria na cabeça um drama durante o qual se isola e parece misterioso e cheio de segredos. Diz a si mesmo que está sendo cauteloso, mas o que faz na verdade é esperar que alguém seja atraído para esse drama e tente imaginar o que se passa com ele. Quando alguém faz isso, ele se mantém vago, obrigando a pessoa a lutar e cavar para discernir seus verdadeiros sentimentos. Quando a pessoa faz isso, dedica toda a atenção a ele, lhe transmitindo a energia. Quanto mais consegue mantê-la interessada e confusa, mais energia ele recebe.
Entretanto, se uma pessoa é mais sutil em sua agressão que o intimidador, encontrando defeitos e solapando lentamente o mundo das pessoas para extrair lhes a energia, então podemos considera-la um interrogador. As pessoas que usam essa maneira de adiquirir energia encenam um drama de fazer perguntas e sondar o mundo de outra pessoa, com o propósito específico de descobrir alguma coisa errada. Assim que fazem isso, criticam esse aspecto da vida da outra pessoa. Se essa estratégia der certo, aí a pessoa criticada é atraída para o drama. Ela se vê derepente ficando intimidada perto do interrogador, prestando atenção ao que ele faz e pensando nisso, para não fazer nada errado que o interrogador perceba. A deferência psíquica dá ao interrogador a energia que ele deseja.
Temos que alcançar uma consciência mais plena, uma ligação mais íntima com o Plano Maior, pois só então nossa evolução para alguma coisa melhor poderá ser orientada por uma parte superior de nós mesmos. Liberto do medo da escassez e de nossa necessidade de dominação, podemos ficar abertos para nos doarmos, em benefício das necessidades do momento atual.

Comentários