A Lei da Dádiva

Em cada semente encontra-se a promessa de milhares de florestas.  Mas a semente não deve ser guardada; deve fazer oferta da sua inteligência ao solo fértil.  Através da dádiva, a sua energia oculta flui para a manifestação material.      Quanto mais der, mais receberá, porque assim a abundância do universo continuará a circular na sua vida.  Na verdade, tudo o que na vida tem valor multiplica-se quando se dá.  Aquilo que não se multiplica através da dádiva não merece ser dado nem recebido.  Se, no ato de dar, sentir que perdeu alguma coisa, a dádiva não foi feita com sinceridade e nada se multiplicará.  Se der de Má vontade, não haverá nenhuma energia nessa dádiva. A intenção que se encontra por trás do ato de dar e receber é o mais importante.  A intenção deve ser sempre para gerar alegria para quem dá e para quem recebe, para que a felicidade constitua o apoio e o suporte da vida E portanto gera o progresso.  O retorno é diretamente proporcional à dádiva, se esta for incondicional e feita com amor. Por isso o ato de dar tem de ser feito com alegria. É preciso que o seu estado de espírito seja de alegria no próprio ato de dar.  Assim a energia que se encontra por trás da dádiva multiplica-se muitas vezes.  
     Na verdade, a prática da Lei da dádiva é muito simples: se quer alegria, dê alegria aos outros; se quer amor, aprenda a dar amor; se quer atenção e apreço, aprenda a dar atenção e apreço; se quer prosperidade material, ajude os outros a tornarem-se prósperos no aspecto material.  O modo mais fácil para obter aquilo que queremos é de fato ajudar os outros a obterem aquilo que querem.  Este princípio aplica-se da mesma forma a indivíduos, corporações, sociedades e nações.  Se quiser que a vida o abençoe com todas as coisas boas, aprenda abençoar os outros, em silêncio, com todas as coisas boas da vida.       Até a idéia de dar, a idéia de abençoar, ou uma simples oração têm o poder de afetar os outros.  Isto acontece porque o nosso corpo, reduzido ao seu estado essencial constitui um feixe localizado de energia e informação implica energia, que se manifestam sob a forma de pensamento.  Portanto, somos feixes de pensamento num universo pensante.  E o pensamento possui o poder de transformar.
     A vida consiste na eterna dança da consciência, que se exprime pela troca dinâmica de impulsos de inteligência entre o microcosmo e o macrocosmo, entre o corpo humano e o corpo universal, entre o espírito humano e o espírito cósmico.       Quando aprendemos a dar aquilo que desejamos para nós, ativamos e coreografamos a dança, através do movimento delicado, enérgico e vital, que constitui a eterna vibração da vida.  O melhor meio para pôr em prática a Lei da Dádiva é dar início a todo o processo de circulação, que consiste em tornar a decisão de dar qualquer coisa a cada pessoa com quem contatamos.  Não tem de ser sob a forma de coisas materiais; pode ser uma flor, um cumprimento, uma Oração, Na verdade, as mais poderosas formas de dar não são Materiais.  O carinho, a atenção, o afeto, o apreço e  o amor constituem algumas das mais preciosas dádivas que se podem oferecer e não custam nada.  Quando encontrar alguém pode, em silêncio, fazer recair uma bênção sobre essa pessoa, desejando-lhe felicidade, alegria e prazer.  Este tipo de dádiva silenciosa revela-se muito poderoso.       Uma das coisas que me ensinaram em criança, e que eu depois também ensinei aos meus filhos, foi o nunca ir a casa de ninguém sem levar qualquer coisa. Nunca visitar ninguém sem levar uma oferta.  Pode perguntar: *Como posso dar alguma coisa aos outros em certas alturas, se não tenho o suficiente para mim? Pode, leve uma flor.   Pode levar um bilhete ou um postal que diga qualquer coisa acerca dos seus sentimentos pela pessoa que está a visitar.  Pode fazer um cumprimento ou uma oração.       Tome a decisão de dar, para onde quer que vá, ou quem quer que vá visitar.  Na medida em que der, também receberá.  Quanto mais der, maior será a sua fiança nos efeitos miraculosos desta lei.  E quanto mais receber, mais aumentará a sua capacidade para dar.       A nossa verdadeira natureza consiste na prosperidade e na abundância; somos naturalmente prósperos, porque a natureza provê todas as necessidades e desejos.  Não  nos falta nada, porque a nossa natureza se baseia na potencialidade pura e nas possibilidades infinitas.  Portanto, aceitemos a prosperidade como inerente à nossa natureza, independentemente de termos pouco ou muito dinheiro, pois o campo da potencialidade pura constitui a fonte de toda a riqueza. É a consciência que sabe como realizar todas as necessidades, incluindo alegria, amor, prazer, paz, harmonia e sabedoria.  Se procurar primeiro estas coisas, não só para si, mas também para os outros, tudo o resto lhe chegará espontaneamente.

Comentários